Cientistas identificam hormônio que pode ser arma contra câncer de fígado

A descoberta, segundo os autores do estudo, abre caminho para a intervenção terapêutica desse tipo de câncer

Pesquisadores da Universidade de Michigan identificaram em um estudo com camundongos um hormônio – neuregulina 4 (NRG4) – que parece ter potencial como um tratamento para o carcinoma hepatocelular, o tipo mais comum de câncer de fígado primário. O estudo publicado em 15 de agosto na revista Cell Metabolism analisou como as alterações moleculares e celulares são afetadas pela doença hepática gordurosa não relacionada ao álcool e como essas alterações progridem, aumentando o risco de câncer de fígado.

 

Os pesquisadores mostraram que camundongos sem NRG4, que é secretado principalmente por células de gordura, desenvolvem doença esteato-hepatite não alcoólica mais grave e mais tumores no fígado do que camundongos com níveis normais do hormônio. Além disso, quando os pesquisadores aumentaram os níveis de NRG em camundongos – elevando geneticamente a expressão de NRG4 em tecidos adiposos ou tratando camundongos com uma fusão NRG4 recombinante – os níveis aumentados do hormônio suprimiram a progressão do câncer de fígado.

 

Em um cenário terapêutico, a proteína de fusão NRG4-Fc recombinante demonstrou notável potência na supressão dos tumores malignos de fígado e na sobrevivência prolongada nos camundongos tratados. Essas descobertas, segundo os autores do estudo, abrem caminho para a intervenção terapêutica do câncer de fígado. “Muitos estudos sobre câncer de fígado se concentram nas próprias células cancerosas do fígado: como elas proliferam e como elas escapam do sistema imunológico”, disse um dos autores do estudo, Jiandie Lin

 

“Mas nossas descobertas rompem com essa estrutura centrada no fígado, mostrando que um hormônio derivado da gordura pode realmente reprogramar o ambiente do fígado e ter um impacto muito grande no desenvolvimento do câncer de fígado”. Mais pesquisas são necessárias antes que o NRG4 possa ser buscado como terapêutico para o carcinoma hepatocelular. Os pesquisadores agora planejam investigar abordagens para melhorar a eficácia do hormônio.

 

Fonte: catraca livre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.